domingo, 22 de maio de 2011

         Ei pessoas,
       Semana abençoada para todos nós!


E vamo que vamos...    


            "Vocês que fazem parte dessa massa
              Que passa nos projetos do futuro
              É duro tanto ter que caminhar
              E dar muito mais do que receber...
              E ter que demonstrar sua coragem
              À margem do que possa parecer
              E ver que toda essa engrenagem
              Já sente a ferrugem lhe comer...

              Êeeeeh! Oh! Oh!
              Vida de gado
              Povo marcado, Êh!
              Povo feliz!..."
                                                  (Zé Ramalho) 

BAFUÁ NA CÂMARA MUNICIPAL DE ITAMBACURI



Aconteceu uma confusão durante a sessão desta segunda feira (dia 16) na Câmara Municipal de Itambacuri. Tudo começou quando o vereador Charbel deixou de falar sobre o Projeto de Lei Nº 13/2011 e iniciou a ofensa ao vereador João.
Charbel disse que João havia votado contra o pedido do prefeito para tomar 700.000( setecentos mil reais) emprestado e agora estava contra este projeto de empréstimo de dois milhões para melhorias em Itambacuri. João começou a rebater, e então a discussão se acalorou: chamou o vereador Charbim de Pinóquio  porque o que ele queria era saber onde seria empregado o recurso - em quais projetos.
Charbel levantou da cadeira e apimentou. João levantando também aumentou o tom e o bate rebate foi tamanho que João partiu em direção à mesa de Charbim que estava mais vermelho que uma maçã do amor. Os gritos se misturaram e a confusão foi tanta que mesmo fora dos microfones, em um piscar de olhos, várias pessoas adentraram na Câmara para verificar o que ali se passava.
Enquanto o caldeirão fervia, o vereador Pedro Antônio batia na mesa e pedia: “respeita a presidência”! O Presidente da Câmara batia a sineta e Silene filmava.

Tudo se acalmou quando o Presidente Reinaldo alterou o tom  e depois falou com o vereador Charbel que ele já havia falado demais, já haviam passado mais de 10 minutos e ele queria falar sozinho o tempo inteiro.
Para acalmar os ânimos dos atores, a gravação, ou melhor, a sessão foi suspensa por alguns minutos.
Após os comerciais leu-se artigo de Lei que dispõe sobre as penalidades aplicáveis aos vereadores que incorre em falta de decoro.
O projeto autorizando o município de Itambacuri a contratar com o Banco BDMG foi aprovado pelos vereadores Reinaldo, Pedro Antônio, Coca de Dé, Osvaldo, Jú de Lau e Charbel.
Não é que a novela das sete Morde & Assopra está dando mesmo uma força nos relacionamentos?
Ao término da reunião, João e Chárbel adentraram no interior da Câmara (bastidores) para o momento ASSOPRA.




ENTENDA MELHOR A DISCUSSÃO NA CÂMARA DO PROJETO DE LEI QUE AUTORIZOU O PREFEITO HENRIQUE SCOFIELD A FAZER UM EMPRÉSTIMO DE DOIS MILHÕES DE REAIS.

O Prefeito Henrique Luís da Mota Scofield enviou para a Câmara Municipal de Itambacuri um Projeto para ser votado em caráter de urgência.
João pediu vista do projeto, ou seja, pediu para que o projeto ficasse para ser votado na sessão seguinte para melhor análise.
O pedido foi rejeitado considerando que o projeto que dá entrada em caráter de urgência deve ser votado em uma única sessão.
Foi questionado então pelo vereador João a pedido escrito do povo que ali se fazia presente as seguintes questões:
-Qual a calamidade pública que estava acontecendo em Itambacuri que exigia a aprovação do projeto em regime de urgência?
-Quais projetos seriam contemplados com os dois milhões de reais? Em que seriam aplicados?

O vereador Charbel justificou falando que o dinheiro será aplicado  em calçamento, que foi o banco BDMG que ofereceu o dinheiro para o prefeito.

O vereador César Baiano lembrou de outras dívidas que ex- prefeitos haviam deixado para outros administradores que passaram apurados em suas administrações e falou também que concordava em saber sobre a aplicação do recurso.

Na mesma linha de entendimento seguiu Luís André que disse que era bom saber que o município tem crédito e o município tem é que ter credito mesmo, mas que precisava saber em que seria aplicado este montante, se havia uma planilha de custo/ benefício.

Os demais vereadores não fizeram nenhuma ponderação relevante e não demonstraram nenhuma preocupação se o empréstimo irá ou não onerar o município no futuro e nem mesmo sem saber a real destinação do recurso. A base foi para projeto de infra-estrutura.
As perguntas: onde aplicar, quando aplicar, qual o levantamento de custo/benefício, por que aplicar, por que individar, etc... não questionaram.

Então a maioria dos vereadores votou autorizando o prefeito Henrique Scofield a tomar o empréstimo de dois milhões de reais, contrato a ser feito com o Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais. 


A HERANÇA DE HENRIQUE SCOFIELD

O empréstimo de dois milhões de reais será firmado nas seguintes condições:
- taxa de juros de 4% (quatro por cento) ao ano pagáveis inclusive durante o período de carência, com atualizações monetárias de acordo com a taxa de juros a longo prazo ou outro índice que venha ser estabelecido para atualização monetária de valores;
- tarifa de 0,5% (zero vírgula meio por cento) do valor do financiamento;
- dívida será paga em até 180 meses 

- A participação do município, a título de contrapartida , com recursos próprios , será em montante mínimo de 10% ( dez por cento) do valor do investimento financiável.

O município fica autorizado a oferecer a vinculação em garantia das operações de crédito de crédito, por todo o tempo de vigência dos contratos e financiamentos e até a liquidação total da dívida, sob a forma de reserva de meio de pagamento, das receitas de transferências do imposto sobre operações relativas a circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de Transportes Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação – ICMS e do fundo de Participação dos Municípios – FPM, em montante necessário e suficiente para a amortização das parcelas do principal e o pagamento dos acessórios da dívida.


O QUE APONTA ESTE EMPRÉSTIMO

No nosso entendimento: Que o prefeito é um invasor. Está invadindo futuras administrações. 
Afinal, a dívida será paga em até 180 meses (15 anos). Ou seja, os 3(três) próximos prefeitos terão que se virar para administrar o município uma vez que estarão carregando o fardo da administração de Henrique Scofield em seus ombros.
Está “escondido” por trás deste empréstimo uma escravidão de nossa gente. Ele já fez um compromisso com nossas contribuições.
Tudo em nome da “ modernização institucional e da infra-estrutura do município”( É desse jeito que está escrito no projeto). Até parece aqueles termos usados pelo deputado João Plenário da Praça é Nossa.
Ou quem sabe sobre para a estrutura da campanha política que virá? Tudo é possível!
Ou será que tem alguém que já se esqueceu que na eleição de deputados eles foram “pegos com a boca na botija” usando a máquina pública em campanha? Será que alguém esqueceu daquele transporte público apreendido com materiais de campanha?

Projeto de dois milhões que não pode ser bem discutido, tem que ser aprovado às pressas, sem que a população saiba, que é como se estivesse enfiando a mão no bolso e tirando dois reais pra comprar uma “dúzia de bananas”, um ano antes da eleição, a gente tem o direito de acreditar mas também de desconfiar, né gente?
Ou será que a gente não tem o direito de desconfiar e acompanhar a aplicação deste recurso e cobrar onde está sendo aplicado centavos por centavos?

CONTRADIÇÃO DO PREFEITO HENRIQUE EM PROJETOS ENVIADOS À CÂMARA MUNICIPAL

Em Itambacuri, não muito tempo atrás, alguns agentes políticos e públicos, prefeitos, vice-prefeitos e vereadores, secretários municipais comeram fatias de  bolos que não os pertenciam. Cabiam ao progresso do município e por isso, o Tribunal de Contas rejeitou as contas destes IMPROBOS ( é o nome que dá para aqueles que pegam ou ficam com o dinheiro público ou seja, que não é deles ou cometem outros desvios - atos de improbidade administrativa) e por isso eles teriam que devolver o dinheiro que não os pertenciam  aos cofres públicos.
Em outubro de 2009, o Prefeito Henrique Scofield enviou um projeto para a Câmara Municipal  Municipal ( Projeto 027/2009) para que fosse alterada a forma de pagamento de dívidas destes agentes políticos e públicos. Sendo que este poderia ser parcelado em até 240 meses (20 anos).
Vejam:






















Entenderam? O sujeito comeu o dinheiro, gastou como quis: ou investindo em fazenda, ou casa, ou comprando carro, realizando algum desejo e o Prefeito queria dar para eles um prazo de 20 anos para pagar como se administração pública fosse uma financeira.

Alguém deu o grito e então  o Ministério Público enviou o ofício de número 451/2009 para a Câmara Municipal  informando da inconstitucionalidade da lei que autorizava o parcelamento, pois através do projeto o município estava possibilitando que os devedores se beneficiassem ainda mais de uma lei causando alterações das regras processuais em vigor, já que o parcelamento era superior ao previsto no Código de Processo Civil e também violava o artigo 22, I da Constituição Federal.

O Ofício do Ministério público falava ainda que a lei não previa correção monetária, nem juros de mora sobre as parcelas futuras na lei e que isso trazia um prejuízo ao erário, contrariava o artigo 37 da Constituição Federal e a Lei que trata de crimes contra a administração pública ( Lei de improbidade Administrativa – 8429/92) que “visam o rápido e efetivo ressarcimento dos danos sofridos pelos cofres públicos e a SEVERA PUNIÇÃO DOS AGENTES IMPROBOS, E NÃO O BENEFÍCIO DESTES, como propunha a lei municipal 467/2008 e o projeto de Lei Proposto pelo prefeito Henrique Scofield.

Após esta recomendação do Ministério Público, o Projeto de Lei que já estava para ser aprovado inclusive por quem tinha dado uma boa bocada e lambido o beiço não voltou mais para ser discutido.
Este projeto não contradiz  o Projeto de Lei nº 013 de 2011 que autoriza o prefeito a pegar o empréstimo? 
  

AGORA PENSEM...


Primeiramente, o prefeito manda um projeto para parcelar a dívida de agentes políticos em 240 meses, depois solta um jornal dizendo que as contas estão equilibradas, em seguida manda outro projeto para autorizá-lo a pegar dois milhões de reais emprestados.
Não é incoerente e contraditória as ações do Prefeito?
Se o município tem necessidade de recurso, por que ele não pleiteia o pagamento destas dívidas aos devedores? Por que não inscreve o valor em dívida municipal, podendo ajuizar a ação executória, caso haja necessidade?
Se o dinheiro não dá pra fazer tudo de que o município necessita pelo menos a dívida do empréstimo será menor, pensam assim?
Por que a administração pública não solta a lista dos devedores? Quem participou do arrastão do dinheiro público? Quem de sua turma terá feito uma boa mamada? Solta os nomes... 
Por que será que tem vereadores que ao invés de representar o povo ligaram o cordão umbilical ao prefeito? Será que não tem “deles” que deve ressarcir ao erário? O que está mascarado? Por que tem vereador que fica afirmando que quem deve devolver o dinheiro é o contador e o tesoureiro que pagou e fez errado ao invés de querer cumprir o que leciona a lei 8429 e a Constituição Federal e devolver logo o dinheiro que ele abocanhou?




MÁXIMA EMBROMAÇÃO

Pra completar a história, o prefeito foi a uma rádio e soltou o maior trololó. Ainda bem que não foi só a gente que percebeu a máxima embromação. 
Respondeu perguntas dos Antônios. ( Mas aqui tem é Antônio que pergunta...)
De um jeito sutil falou sobre os três vereadores que votaram contra o projeto do empréstimo de dois milhões, agradeceu os que votaram em “seu projeto” citando nome por nome.
Agora perguntamos: De quem é esta rádio?
Investiguem e nos conte!
Tarefa de Casa...

domingo, 15 de maio de 2011

Pessoal,


Ei nós aqui de novo 
(Fazendo bagunça, encrenca e causando polêmica como alguns dizem...)


"E nós que até então fomos marcados 
Pra sofrer e pra morrer 
De um mal solúvel que tem nome
Quase sempre é fome, 

Quase sempre é fome ( de justiça e de direitos)
Resolvemos dizer: "basta!". E ninguém vai calar!

E nós 
que por um tempo nos calamos
E brincamos de ser povo
Ei nós aqui de novo! Ei nós aqui de novo!
Ei nós aqui de novo!"



E viva Zé Vicente!


SEJAM TODOS BEM VINDOS AO ITAMBACURI EM FOCO!

Iniciamos o Itambacuri em foco desta semana pondo lenha na fogueira

Gente, vocês viram o informativo da prefeitura?
O que é aquilo? 
Antes de qualquer um ler deveria recolher todos e levar para as aulas de Português para que os alunos reestruturem os textos e corrijam os sinais de pontuação e a concordância. Assim será melhor compreendido.

E a homenagem às mães? " Em nome de minha mãe eu gostaria de dar um abraço afetuoso a todas as mães de Itambacuri". Ele mesmo não queria homenagear??? (página 2)

E os dois secretários de administração? Alguém viu aquilo?
José do Amaral e Sebastião Bejotta. (página 2)

Onde foi parar a homenagem a Carlito Martins que estaria na página 4? ( que falta de informação)

Alguém viu a orientação  de manter em dia o pagamento sobre a prestação de serviços do SAAE? E sobre o concurso, nada a declarar?

E a festa da prestação de contas aprovadas pela Câmara Municipal? Já vi prestação de contas daqui que foi aprovada pela Câmara e rejeitada pelo Tribunal de Contas. Será que o MPF também vai aprovar aquelas rasuradas e duvidosas da saúde?

Alguém visitou as casas populares? Viram os 6 confortáveis cômodos nas casas? Papai do céu...Então não foram as casas que nós fotografamos...

E a medalha de mérito da Defesa Civil?  Então a matéria " 56 famílias de Itambacuri protestam por casas interditadas há 14 meses" publicado em 05/04/11 que se encontra no  http://in360.globo.com/mg/noticias.php?id=12592

é invenção da globo?

E vamo que vamos...
Sem engano!

.
É o dia Nacional de luta contra o abuso e a exploração sexual de crianças e adolescentes.
Neste dia os Fóruns de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente devem unir-se em prol de um objetivo que é o de mobilizar a sociedade para o enfrentamento à violência sexual contra crianças e adolescentes.
Este dia foi criado pela lei 9970/00  em memória à criança Araceli cabrera Sanches , menina de 8 anos que foi sequestrada, drogada, espancada, estuprada e assassinada em Vitória - Espírito Santos. 
Itambacuri precisa alargar os olhos para este problema, pois está na rota de abuso e exploração sexual.
Aproveitamos o ensejo, para esclarecer alguns termos que por força do hábito muitos cometem equívocos:


Abuso sexual:  No abuso sexual a criança não recebe dinheiro ou vantagem. Geralmente acontece no lugar onde ela supostamente deveria estar mais protegida que é dentro de casa.


Exploração sexual: Ocorre mediante pagamento em dinheiro ou presentinhos como por exemplo celulares, roupas, brinquedos ou outros por pessoas que aproveitam da vulnerabilidade social das crianças e adolescentes que fogem da miséria de suas casas estimuladas pelo consumo.


Prostituição sexual: É termo erroneamente usado quando se refere a criança ou adolescente. Na prostituição sexual a pessoa é maior de idade,  tem conhecimento das conseqüências que a profissão poderá trazer para seu corpo sejam físicas psicológicas e recebe pelos serviços.   Portanto, criança e adolescente não prostitui. Elas são abusadas ou exploradas sexualmente. 
Abracemos todos esta campanha!



CONVITE CERTO PARA COMPOR O CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE DE ITAMBACURI

A característica do Conselho Municipal de Saúde (CMS) que é sua composição paritária e a escolha dos membros representantes da sociedade civil que devem ser escolhidos pela própria sociedade civil aqui em Itambacuri foi totalmente desrespeitada.
Esta retração na formação do Conselho compromete a política Municipal de Saúde e o Controle de aplicação dos Recursos do Fundo Municipal de saúde.
A Portaria n° 052/2010 que nomeava os membros do Conselho Municipal de Saúde de Itambacuri apontava assim sua formação:
 Representação não Governamental (usuários)
01-  Igreja Católica Apostólica Romana
 Titular: Dinomar de Paula Campos ( Funcionária municipal de saúde)
      Suplente: Geraldo Neves Barbosa
02-  Loja Maçônica Cedros do Líbano
 Titular: Moádison Antônio D’Avila (Exerce cargo de confiança – Secretário de obras)
     Suplente: Moarli de Oliveira Campos
03-  Associação de Moradores de Bairro Várzea
 Titular: Claudiomar Aparecido de Sousa (Funcionário municipal - SUCAM)
      Suplente: Luciana Pinheiro Pechim
04-  Associação Comunidade das Sete Voltas
 Titular: Willian José de Sousa Santos( Trabalha no PSF)
         Suplente: João Luiz da Silva
05-  Setor Educacional
 Titular:Karina Conceição Ferreira de Oliveira-(Funcionária da Secretaria Municipal de Educação )
       Suplentes: Claudinei Coelho Martins
06-  Associação de Moradores e Mutuários do Bairro Lauro Lopes
 Titular: Irleide Soares Silva 
         Suplente: Silvio Augusto da Silva Moreira
      07-Ordem dos Advogados do Brasil- OAB Titular: Dr. José Rubens
      Suplente:Dr. Ailton José de Figueiredo Coelho
07-  Cooperativa dos Produtores Rurais de Itambacuri
Titular: Edenilson Quinhanes da Silva
        Suplente: Rosa Alves do Amaral
08-  Entidade Caminho do Amanhã – Vila Formosa
 Titular: Clarete Rodrigues de Almeida
        Suplente: Raquel Alves dos Santos
09-  Guardiões do Valle  -
Titular: Maria José Gomes Alexandre
Suplente: Olemar Marcelo Batista de Freitas

Observando a composição dos representantes dos usuários (sociedade civil) muitos eram funcionários públicos exercendo cargo de confiança na administração pública municipal e não houve publicação de edital para que as entidades da sociedade civil indicassem seus membros para representarem os usuários de saúde.
Então, antes mesmo de legalizar a situação do Conselho, a indicação da nova presidente do Conselho Municipal de saúde foi feito às escuras e na ilegalidade.( já que nem constava na pauta da reunião (ofício 62/2011 do mês de fevereiro), Março não teve reunião do CMS e no dia 04 de abril a Sra. Fabiana de Oliveira Dutra Teixeira já estava assinando como presidenta do Conselho de Saúde) e mesmo se tivesse na pauta da reunião  de fevereiro, a indicação estaria divorciada das normas nacionais já que a situação do conselho estava irregular.
Acontece que após indicar a nova presidenta, foi enviado a algumas pessoas CONVITE CERTO para comporem o Conselho Municipal de Saúde.

O QUE DIZ A LEI?
Em obediência ao Estado democrático, este processo deve iniciar-se, obviamente, no seio da sociedade organizada, através das mobilizações e articulações das entidades e instituições que representam os Conselhos de Saúde. Estas entidades devem estar legalmente constituídas, com estatutos registrados e atas das eleições e reuniões inclusive da indicação da pessoa a compor o Conselho Municipal de Saúde. Quando as vagas no Conselho são menores que o número de entidades as negociações apontam para o rodízio e reuniões periódicas da assembléia da sociedade civil para orientar os posicionamentos dos representantes do segmento no Conselho.
O que aconteceu em Itambacuri:
  • Não se sabe quando foi publicado o Edital para a escolha dos membros que representam os usuários da saúde e prestadores de serviços.
  • O Conselho foi formado através de CONVITE CERTO. Ex: A Associação da Vila Pedreira que não está legalizada, teve a indicação feita dentro do PSF da Rua dos índios por um morador daquela área juntamente com a Secretária de saúde. (Não houve assembléia com os moradores)
  • A Secretária da Associação da Várzea informou-nos também que não houve reunião para escolha das representantes da Associação da Várzea e que não sabia por que “aquela pessoa” estava representando a Várzea.
  • O certo é que sentimos falta da representação da APAE como prestadores de serviço e também da casa lar como representantes de usuários já que é uma das casas que possui mais usuários de saúde.
  • E a representante dos educadores? Quem indicou? Que dia aconteceu a assembléia dos educadores para indicar as representantes que até agora nenhum educador soube informar?
  • Houve reunião da Maçonaria indicando Moair D’Avila para compor o Conselho Municipal de Saúde ou ele recebeu Convite certo?
A verdade é que a representatividade dos membros encontra-se sustentada inicialmente, na Constituição federal- art 204 II, na Lei 017/93 que institui o Conselho Municipal de saúde, a Lei 8142 de 28 de dezembro de 1990 – DOU de 31/12/90 e em Itambacuri não pode fugir da lição de que a escolha do (a) representante é responsabilidade exclusiva da entidade ou da instituição, e também, que este ato deve obedecer às normas internas, regimentais e legais, de cada entidade e instituição.
A semana que vem publicaremos (se conseguirmos) a nova portaria de nomeação dos novos membros, antecipando que a forma como foi feita a escolha dos membros é autoritária, desrespeita os usuários e prestadores de serviços e foi feita sem prévia organização e informação.

                              SINAL DE TRÂNSITO 
As placas de trânsito transmitem mensagens mediante legendas e/ou símbolos pré-conhecidos e legalmente instituídos. Sua finalidade é a de manter o fluxo de trânsito em ordem e segurança e a violação de uma placa de trânsito constitui infração ao Código de Trânsito Brasileiro.
A placa de regulamentação de parada obrigatória deve ser octogonal e possuir fundo vermelho com a palavra PARE.


Como aqui em Itambacuri, a administração pública não importa em violar lei nenhuma, a bola da vez são placas de parada obrigatória e por isso acrescentaram adm: 2009-2012. Vejam só:


Não sabemos ao certo a função desta e outras placas: 

a) Será esta placa um indicativo de que a administração do Prefeito Henrique Luis da Mota (2009-2012)está parada?

b) Será que esta placa está indicando que devido às péssimas condições das ruas de nossa cidade,  a parada é mais do que obrigatória, para que os carros e bicicletas não causem um problema maior aos motoristas, motoqueiros, ciclistas e pedestres? Tudo a ver. Vejamos:















  Vamos parar por aqui senão esta semana vocês terão só fotos.  
Quem deve estar bem sorridentes com esta situação são os   mecânicos e donos de oficinas...
     Motoristas e ciclistas só no lamento.
Ah! íamos esquecendo...
fizeram uma operação tapa-cratera aqui no final da rua Brasília e usaram uma misturado de borra de asfalto com terra e capim. Vamos aguardar pra ver no que vai dar.

REALITY SHOW - A FAZENDA - EM ITAMBACURI.

Depois do grande sucesso do Rodeio show promovido por Beto Produções, os buchichos falam sobre a gravação do Reality Show, Programa de grande audiência da TV Record (A FAZENDA) em Itambacuri
Corre ainda à boca miúda que a administração pública de Itambacuri é que está preparando tudo com muito carinho para que a equipe da Record, que deve chegar logo em nossa cidade, já encontre tudo em perfeita ordem.

Estamos começando a acreditar pois, em toda a cidade, por onde se olha, percebe que tudo já está preparado.Vejam:















Com este cenário, a vida da população mudou e inclusive até as crianças tem que provar que sabem enfrentar a lida de tocar animais no meio das ruas, desviar dos cachorros, recolher os cocôs dos cães nas calçadas ou desviar deles. 

Não temos os nomes oficiais dos "artistas" que participarão deste Reality show, mas nos bastidores os especuladores e paparazzis nos dizem que “dentro da casa” alguns famosos  como Karina que é sobrinha do Secretário de Administração, Marconi Pires e um ex-funcionário da fazenda do prefeito tem lugares garantidos. 
Estamos doidos para que o diretor solte a lista oficial dos nomes de quem estará dentro da casa, pois o de concreto que temos é só o cenário. 
E a Record vem!

domingo, 8 de maio de 2011

Bem vindos ao Itambacuri em foco!
Damos um Salve geral para todas as mães 
SALVEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE!
 e também um abração carinhoso para as mães sejam biológicas ou adotivas.
Gente, desculpe o tardar da mensagem; mas
 foi osso viver este dia, por isso estamos postando agora.
Mas o certo é que a luta continua mesmo "com a sala, o quarto,   a cozinha, o corredor, a casa vazia e que em meus braços ela não mais aninha."
É muita saudade...
Durante toda esta semana foi muito sofrimento
Preparamos um vídeo lindo para todas as mães que sofrem, mas não dá para postar.
Quem sabe também precisávamos somente de um vídeo legal, prá cima que é o que está publicado abaixo.
E vamo que vamos...





PARA NUNCA ESQUECER...
O SOFRIMENTO E A DOR DAS MÃES QUE TIVERAM FILHAS TROCADAS NO HOSPITAL TRISTÃO DA CUNHA...

No ano de 2002, internou no Hospital Tristão da Cunha de Itambacuri a senhora Cleusa de Deus Barbosa da Silva e a Sra. Luzinete Batista Rodrigues Pego para o nascimento de suas filhas.

A criança Daniela, nasceu no dia 17 de maio de 2002 e a criança Michelly nasceu no dia 18 de maio de 2002.
A troca de crianças neste hospital de pequeno porte onde não nascem nem 10 crianças no mesmo dia e em datas diferentes é um grande sinal de descuido e da falta de identificação das recém-nascidas nesta entidade.
Vejamos:
As crianças nasceram, mas não ficaram com suas mães biológicas.
Elas foram trocadas neste hospital que é uma ASSOCIAÇÃO PROTETORA DA INFÂNCIA.
8 anos se passaram com os bebês trocados e esta situação tem dado o que chorar.
Como se descobriu a troca: Conta a dona Luzinete que havia entrado com pedido de pensão alimentícia para a filha Daniela porque o pai não estava dando nenhuma ajuda para a criação da filha e ainda dizia que a filha não era dele.
Então ele foi preso a primeira vez.
Em seguida, ele fez o pedido de DNA e antes mesmo do resultado ele foi preso novamente.
Ao sair o resultado de DNA, constatou-se que ele não era o pai da criança e então ela entrou em desespero, porque se a criança não era filha dele, também não era filha dela.  
Por isso, o advogado Dr. Jaquilane Jardim de Oliveira, fez o pedido de DNA dela e da criança. O resultado então confirmou que ela não era a mãe biológica da Daniela.
Mais um tempo de dor e angústia, ela passou a viver. Estava criando uma filha que não era dela e não tinha nem noção de onde estava o paradeiro de sua filha.
Ás vezes questionava o que tinha acontecido com a sua filha, se havia morrido, se era realmente menina se estava no Rio, São Paulo e isto quase a fez enlouquecer.
Pediu-se então no processo que fosse chamado o hospital para declarar o número de crianças nascidas naqueles dias próximos a 17 de maio de 2002, data de nascimento da criança.
Duas mães que tiveram crianças na época então fizerem o exame de DNA e o resultado acusou que sua filha Daniela havia sido trocada no Hospital Tristão da Cunha com a criança Michelly filha da senhora Cleusa de Deus Barbosa da Silva.
D. Luzinete conta que ela não teve parto normal e que ainda teve que ficar no hospital mais 7 dias com a criança para tomar banho de luz, porque esta havia nascido “ amarelinha” enquanto a outra mãe saiu do hospital carregando a sua filha.

Sentimento: O Sentimento das duas mães é de tristeza. As duas mães estão sofrendo muito. Todas dizem querer a filha biológica mas nenhuma quer deixar a filha que cuidou até agora.

As crianças:
As crianças estão vivendo em grande conflito.
Não é sem razão que quando perguntam quem é a mãe, elas demoram a responder.

Condições de moradia:

Daniela mora numa casa de 6 cômodos em um sítio, na zona rural de Itambacuri, próximo a Frei Serafim. Todos os dias tem o leite do gado que ali criam, verduras e muitas frutas.
A casa tem televisão, vídeo, moto, toda uma estrutura e uma referência de pai que é o padrasto

Já a Michelly mora com seus 3 irmãos e mãe, na Vila Pedreira em uma casa de chão batido, de dois cômodos, uma cama e a maioria deles dormem no chão.
Conta D. Cleusa que às vezes deixava de comer para sustentar os seus filhos e que agora não quer que tirem a Michelly dela.
E acrescenta:“Eu choro o dia todo, a noite toda. Para mim, a minha filha que estava comigo até hoje era a minha. Nunca pensei que um dia tivesse que passar por isso.”

 Infelizmente estas crianças não tiveram nenhum acompanhamento psicológico.

D. Luzinete diz que já sofreu demais, passou por muitas situações constrangedoras por duvidarem dela e o que mais deseja é ficar com sua filha biológica e Justiça.
Justiça também é o desejo de D. Cleusa.
Esse erro tem trazido muito sofrimento para as famílias.
As duas famílias vão precisar de ajuda para superar esse problema.
O mundo dessas famílias e principalmente dessas crianças foi violado. A identidade e a referência pai/mãe/primos/avós e o círculo de convivência também.
E o pai? Quem o condenará depois de provado que a filha a que ele negou pagar pensão não era realmente sua filha? Bem...mas  se obrigava ao dever por questões "até então" paternas.
Que a justiça lance um novo olhar para esta Associação Protetora da Infância, pois não são poucos os casos de violação de direitos que tem envolvido esta entidade.
Quem não se lembra da morte da criança de Água preta?
Como andam os “inquéritos” sobre estas situações que cercam a Associação Protetora da Infância?
Muitos acreditam que os diretores deveriam ser afastados para uma investigação mais incisiva sobre a áurea que envolve esta entidade.
Chega de tantos erros! Pelos direitos das crianças!